Bloodrock


Bloodrock é uma banda formada no Texas, EUA, inicialmente um trio tocavam covers e no fim dos anos 60 resolvem gravar material próprio.

Descobertos pelo produtor Terry Knight que pra quem não está associando o nome a pessoa foi o cara que em 63 levou o som dos Stones pra américa quando DJ e produziu o Grand Funk Railroad mais tarde. Terry Knight produziu os três primeiros discos dos caras lançando-os no circuito de festivais ao lado do Grand Funk e a banda fez enorme sucesso arrebatando mais fãs a cada show.

Apesar de não tocarem nas rádios os caras acabaram se tornando uma essencial banda cult principalmente para as tropas americanas que serviam no Vietnan. A banda se tornou mais conhecida com a música “DOA” que na tradução livre quer dizer “Mortos na Chegada” sobre um acidente de avião, música essa que se tornou seu único grande hit alcançando a posição 36 da Bilboard em janeiro de 71.

A banda era considerada tecnicamente competente mas seu produto foi considerado pouco original pelos críticos levando-os a não obter o sucesso esperado o que acabou acarretando seu fim precoce. O som dos caras é caracterizado pelo peso característico das bandas da epóca como Grand Funk Railroad, Black Sabbath e Sir Lord Baltmore. As letras eram cínicas e vulgares tratando de temas como alienação, vingança e o modo de vida americano, temas que serial fartamente abordadas na cena Punk Rock mas que pareciam fora de lugar em plena era pós-Woodstock. As músicas que foram eleitas como favoritas pelos fãs foram “Kool-Aid Kids,” “Gotta Find a Way”, “Castle of Thoughts”, “Breach of Lease”, “Cheater”, “D.O.A.”, e “Lucky in the Morning.”

No fim de 72 depois de 4 bons discos o vocalista original Jim Rutledge sai da banda e é substituido por Warren Ham que mais tarde veio a formar uma banda de rock cristão de nome Kerry Livgren ’s Christian. Com ele a banda lançou dois discos que foram “Passage” e “Whirlwind Tongues” onde os caras se afastaram bastante do Hard pesadão inicial indo em direção ao progressive rock, pop e jazz, uma reminiscência de artistas como Jethro Tull, Todd Rundgren e Traffic.

Durante as performances ao vivo com Warren Ham a banda evitava tocar as músicas com temas mais mórbidos como “Whiskey Vengeance” e “DOA”.
Curiosamente a banda enveredou por temas esquerditas ou mesmo marxistas em canções como “The Power”. Em 2000 saiu uma versão em CD tripla que inclui os dois discos com Warrem Ham e mais um álbum não lançado anteriormente de nome “Unspoken Words” gravado em meados de 1974 antes de sua dissolução oficial.

Em 2005 os caras se reuníram para um concerto com quatro dos seis membros originais (Jim Rutledge, Lee Pickens , Ed Grundy, Nick Taylor, Chris Taylor no lugar do baterista original Rick Cobb) em benefício do tecladista Stevie Hill, doente, não me pergunte do que, esse show com grande sucesso de público aconteceu em Ft.. Worth, Texas. Não há notícia de que dessa reunião saia novo álbum.

Texto retirado de | História do Rock

1970 | BLOODROCK

01. Gotta Find a Way
02. Castle of Thoughts
03. Fatback
04. Double Cross
05. Timepiece
06. Wicked Truth
07. Gimmie Your Head
08. Fantastic Piece of Architecture
09. Melvin Laid an Egg

DOWNLOAD

1970 | BLOODROCK 2

01. Lucky in the Morning
02. Cheater
03. Sable and Pearl
04. Fallin
05. Children’s Heritage
06. Dier Not a Lover
07. D.O.A.
08. Fancy Space Odyssey

DOWNLOAD

1971 | BLOODROCK 3

01. Jessica
02. Whiskey Vengeance
03. Song for a Brother
04. You Gotta Roll
05. Breach of Lease
06. Kool-Aid-Kids
07. A Certain Kind
08. America, America

DOWNLOAD

1971 | USA

01. It’s a Sad World
02. Don’t Eat the Children
03. Promises
04. Crazy ’bout You Babe
05. Hangman’s Dance
06. American Burn
07. Rock & Roll Candy Man
08. Abracadaver
09. Magic Man
10. Erosion

DOWNLOAD

1972 | LIVE

01. Castle of Thoughts
02. Breach of Lease
03. Lucky in the Morning
04. Kool-Aid-Kids
05. D.O.A.
06. You Gotta Roll
07. Cheater
08. Jessica
09. Gotta Find a Way

DOWNLOAD

1972 | PASSSAGE

01. Help is on the Way
02. Scottsman
03. Juice
04. The Power
05. Life Blood
06. Days and Nights
07. Lost Fame
08. Thank You Daniel Ellsberg
09. Fantasy

DOWNLOAD

1974 | WHIRLWIND TONGUES

01. It’s Gonna Be Love
02. Sunday Song
03. Parallax
04. Voices
05. Eleanor Rigby
06. Stilled By Whirlwind Tongues
07. Guess What I Am
08. Lady of Love
09. Jungle

DOWNLOAD

1989 | DEAD ON ARRIVAL

01. Gotta Find a Way
02. Wicked Truth
03. Melvin Laid an Egg
04. Lucky in the Morning
05. Sable and Pearl
06. Jessica
07. Breach of a Lease
08. It’s a Sad World
09. Hangman’s Dance
10. D.O.A (Live)
11. Help is on the Way
12. Scotsman
13. Eleanor Rigby (The Beatles Cover)
14. Stilled in Whirtwind Tongues

DOWNLOAD

Cilibrinas do Éden


No mundo da música, se tornam folclore as histórias de “álbuns perdidos”, discos que foram gravados, mas não foram lançados durante anos, ou mesmo só “vazaram” para o público através de edições piratas. “Smile”, dos Beach Boys, “Cocksucker Blues”, dos Rolling Stones (esse, no caso, apenas um single), “The Ties That Bind”, de Bruce Springsteen & E Street Band, “Tecnicolor”, d’Os Mutantes e “Black Album”, do Prince, são alguns exemplos que nos levam a preciosidade presente neste texto.

Em 1972, Rita Lee estava confusa. Ela já tinha dois discos solos na bagagem que não cortavam o cordão umbilical com Os Mutantes – o primeiro, “Build Up”, de 1970, havia sido produzido por Arnaldo Baptista e Rogério Duprat, e o segundo, “Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida”, de 1972, era um disco d’Os Mutantes creditado a ela – mas havia finalmente deixado a banda (ou, segundo a própria, convidada a se retirar) e não queria aceitar o conselho do diretor da gravadora Phillips, André Midani, de sair em carreira solo.

Rita era amiga de Lucia Turnbull, uma paulistana que, como ela, havia morado dois anos em Londres, e também participado das gravações de “Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida” fazendo vocais. Com Lucia, Rita Lee decidiu formar a dupla Cilibrinas do Éden, buscando uma sonoridade calcada em violões e nos doces vocais de ambas, que soavam maravilhosamente bem juntos. “Cilibrina”, na gangue d’Os Mutantes, era a palavra código para maconha.

A dupla negociou um contrato com a gravadora, e logo foi escalada para tocar no mega-show Phono 73, um festival de música realizado no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo, entre os dias 10 e 13 de maio de 1973, que reuniu todo o elenco de contratados da Phillips, ou seja, o “crème de la crème” da música brasileira da época (a lista, imensa, trazia Caetano, Chico Buarque, Elis Regina, Jorge Ben, Raul Seixas, Wilson Simonal, Fagner, Erasmo Carlos, Gal Costa, Jards Macalé, Ronnie Von, Odair José e muitos, muitos outros).

E a estreia da Cilibrinas do Éden, numa quinta-feira, 10 de maio, abrindo para Os Mutantes, não poderia ter sido… pior. Com músicas desconhecidas, vaias retumbantes soaram durante a apresentação das moças no Anhembi. Rita sacou ali que o público não aceitaria bem um som tão acústico, e tratou de montar uma banda mais rock n’ roll, afinal, os tempos não estavam para sutilezas. Rita encontrou o Lisergia, grupo do guitarrista Luis Sérgio Carlini e do baixista Lee Marcucci, e partiu para o processo de composição e gravação do álbum d’as Cilibrinas.

O disco deveria se chamar “Tutti Frutti”, e as gravações ocorreram ao vivo em dezembro de 1973, no estúdio Eldorado, em São Paulo, sob coordenação de Liminha, em sua primeira produção. O resultado não agradou André Midani, que preferia muito mais Rita Lee solo do que um novo grupo, e vetou o projeto antes do disco ir para a fábrica. Antonio Bivar, então habitué da corte de Rita, conta que a produção foi caótica, divertida e amadora, e se a gravação não chegou ao mercado, tem como mérito ter servido para formar o que seria o embrião da nova banda de Rita Lee, a Tutti Frutti.

A única música aproveitada das sessões d’As Cilibrinas, e regravada para o LP de estreia de Rita Lee com o Tutti Frutti (“Atrás do Porto Tem uma Cidade”, 1974) foi “Mamãe Natureza”, justamente o primeiro clássico de sua carreira solo. Nesse disco, uma música foi o pivô da saída de Lucia Turnbull da banda: “Menino Bonito” tinha uma levada totalmente a lá Cilibrinas, com duas vozes e violões. Qual não foi a surpresa quando o disco ficou pronto, e à revelia da banda, a produção (de Mazola) apagou a voz de Lucia deixando apenas a de Rita com acompanhamento de pianos e cordas.

O sucesso só viria para Rita Lee e o Tutti Frutti, sem Lucia, no ano seguinte, em outra gravadora (Som Livre), e com outro LP (“Fruto Proibido”, de 1975, produzido por Andy Mills, também produtor de Alice Cooper), mas isso já é outro capítulo. Lucia Turnbull ainda participaria do disco/turnê “Refestança”, de Rita com Gilberto Gil, em 1977, e teria um certo reconhecimento emplacando “Aroma”, disco de 1980 lançado pela EMI-Odeon (e até hoje não relançado em CD).

Como um bom “álbum perdido”, a estreia d’As Cilibrinas do Éden circulou durante anos em fitinhas K7, nas mãos dos fãs mais descolados, e quase foi lançado oficialmente nos anos 2000 pelo pesquisador Marcelo Fróes, que esbarrou em questões financeiras, pois Lucia Turnbull, segundo entrevista ao jornal Folha de São Paulo, não aceitou a proposta de divisão de valores, alegando que o disco é de uma banda, não só de Rita, e o projeto foi engavetado.

Texto | André Fiori

1973 | CILIBRINAS DO ÉDEN

01. Cilibrinas Do Éden
02. Festival Divino
03. Bad Trip (Ainda Bem)
04. Vamos Voltar ao Princípio Porque Lá é o Fim
05. Paixão da Minha Existência Atribulada
06. Gente Fina é Outra Coisa
07. Nessas Alturas dos Acontecimentos
08. E Você Ainda Duvida
09. Minha Fama de Mau
10. Mamãe Natureza
11. Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Minha Vida
12. Mande um Abraço Para a Velha

DOWNLOAD

Arthur Verocai


O estilo de Athur Verocai pode ser comparado a Tim Maia e Jorge Ben. As músicas tem um toque de folk, mais do que uma pitada de funk, solos ao estilo de jazz, incríveis arranjos com 20 instrumentos de cordas, uma mistura de teclados em um clima de trilha sonora.

"Eu costumava ouvir Blood Sweat and Tears, Chicago, Stan Kenton, Wes Montgomery, Jimmy Web, Frank Zappa, Herbie Hancock, Bill Evans e Miles Davis, Milton Nascimento, Bossa Nova, entre outros" explica Arthur Verocai. "No Brasil, nós temos muitas influências musicais, e naquela época não havia um estilo que dominava o mercado. Nesse sentido, meu disco reflete uma busca e uma experimentação musical. Eu estava com um espírito bastante aventureiro nesse álbum e isso me levou a explorar novos caminhos para a melodia, harmonia e rítmo."

Verocai chegou para as gravações do disco de 1972 com alguns sucessos nas suas costas. Em 1971 havia produzido o disco "Agora", de Ivan Lins, fortemente influenciado pelo soul americano. Além disso, ele havia contribuído com alguns arranjos para gravações de Jorge Ben. "Eu também produzi dois LPs para a cantora Célia, pela Continental, e o presidente da gravadora ficou bastante satisfeito com os resultados. Ele me convidou para gravar um álbum com as minhas próprias composições e eu aceitei com a condição que eu pudesse escolher os músicos. A sessão de cordas completa era composta por 12 violinos, 4 violas e 4 violoncelos, sempre com um ou dois percussionistas. A ideia de misturar cordas com música contemporânea veio do meu desejo de percorrer novos caminhos. Eu acredito que o álbum é muito rico, tanto na quantidade, como na qualidade dos músicos." No time, lendas como Robertinho Silva, Pascoal Meireles, Luiz Alves, Paulo Moura, Edson Maciel, Oberdan Magalhães (Banda Black Rio), Nivaldo Ornelas (que acompanhava Milton Nascimento) e Toninho Horta.

Nascido Arthur Cortes Verocai, no Rio de Janeiro, em 17/6/1945, ele estudou música com Léo Soares, Darci Villaverde, Nair Barbosa da Silva, Roberto Menescal e Vilma Graça. Em 1966 Leny Andrade incluiu a música "Olhando o Mar" em seu disco "Estamos Aí". Dois anos depois Verocai participou do evento Musicanossa, que reuniu compositores, músicos e cantores em apresentações no teatro Santa Rosa, no Rio de Janeiro, paro o qual ele escreveu seus primeiros arranjos. As gravações ao vivo incluem as canções "Madrugada" e "Nova Manhã", compostas em parceria com Paulinho Tapajós.

Até 1968, Verocai ainda trabalhava como Engenheiro Civil. Mas, mesmo assim ele conseguia tocar e participar como arranjador nos maiores festivais brasileiros. Ele trabalhava com artistas como Paulinho Tapajós, Elis Regina e os Golden Boys. Em 1969 Verocai engrenou de vez na carreira de músico e arranjador. Nessa época, ele arranjou discos do Terço, Jorge Ben, Elizeth Cardoso, Gal Costa, Quarteto em Cy, MPB 4, Célia, Guilherme Lamounier, Nélson Gonçalves, Marcos Valle, entre outros. Também assinou a produção musical dos espetáculos "É a Maior" e "O Rio Amanheceu Cantando". Em 1970 ele começa a compor músicas incidentais e de abertura para programas de TV.

O disco de 1972 permitiu a Verocai levar seu interesse por música instrumental ainda mais longe. "Eu sempre quis compor trilhas sonoras em grande estilo, como no cinema, mas isso não era possível com meu trabalho na TV", diz ele. "Minha oportunidade apareceu quando eu estava gravando esse álbum. Eu criei uma célula rítimica em um violão junto com a linha melódica. Eu adicionei a linha de baixo, bem como bateria e percussão não convencionais, junto com uma leve orquestração de 4 trompetes e uma flauta, e um toque delicado das cordas (12 violinos, 4 violas e 4 violoncelos). Ao final da composição, Oberdam Magalhães tocou e cantou com sua flauta." O resultado é a faixa "Sylvia".

"Presente Grego" é talvez a faixa mais funk do álbum. "Essa música foi influenciada pelo soul e pelo funk americanos", diz Verocai. "Por volta de 1972, muitos músicos da minha geração tinham várias influências, que permitiam nos distanciar da música mais convencional. "Presente Grego" é uma expressão que vem do Cavalo de Tróia, um presente dos gregos que escondia os guerreiros que derrotariam os troianos. Como nossa ditadura militar que, sob a aparência de um governo correto, praticava a censura e a opressão", explica ele.

Somados aos elementos de funk e soul, o disco tem vários solos de artistas obviamente influenciados pelo jazz. Confira em "Pelas sombras" ou "Karina", onde os saxofones passeiam sobre os rítmos brasileiros. "Minhas preferências musicais vão de Bach e Villa-Lobos aos músicos de jazz como Tom Jobim, Milton Nascimento, Miles Davis, Herbie Hancock, Oscar Peterson, Wes Montgomery e Bill Evans", diz Verocai.

Nos anos que se seguiram ao lançamento desse álbum, Arthur Verocai se tornou um músico publicitário, criando jingles para clientes como Brahma, Fanta, Petrobrás, e Souza Cruz, chegando a ganhar o prêmio "Colunistas" por diversos trabalhos.

Lançou apenas mais dois álbuns com músias inéditas, em 2002 e 2008.

O limbo em que a carreira musical de Verocai havia caído foi rompido a partir de uma redescoberta de sua obra por (pasmem) rappers americanos, virando cult e sampleado por artistas como Ludacris e Little Brother. Como resultado, Verocai foi convidado para a gravação de um DVD em Los Angeles, com uma banda de 30 músicos brasileiros, para uma platéia de 1200 pessoas. O DVD faz parte do projeto Timeless, que reuniu alguns arranjadores que tiveram seus trabalhos resgatados pelo hip hop em CDs e DVDs.

Texto adaptado do site da | Gravadora Ubiquity

1972 | ARTHUR VEROCAI

01. Caboclo
02. Pelas Sombras
03. Sylvia
04. Presente Grego
05. Dedicada a Ela
06. Seriado
07. Na Boca do Sol
08. Velho Parente
09. O Mapa
10. Karina (Domingo no Grajaú)

DOWNLOAD