Cream


Durante um período, mais precisamente na época conhecida pela expressão inglesa “late 60’s early 70’s”, se alguém mencionasse o termo supergrupo, certamente estaria se referido ao Cream. Claro que com o passar dos anos e com a reunião de diversos grandes nomes em outros grupos, essa definição foi aplicada também à várias outras bandas. Mas com o Cream podemos é um pouco diferente, já que a definição provavelmente surgiu por causa deles mesmo. O próprio nome da banda já ajudava a determinar essa idéia de supergupo, afinal os caras se achavam, e o público assentia, o creme de la creme, a nata, o suprasumo do mundo da música. E de certa forma eles não estavam errados.Jack Bruce e Ginger Baker tinham o respeitável título de ex-Graham Bond Organization. Para quem sabe o que era o grupo liderado pelo gordinho Bond sabe que isso é algo grandioso. Bruce também tinha feito parte do Manfred Mann. Já Eric Clapton era “só” chamado de Deus nessa época e já tinha passado por Yardbirds e John Mayall’s Bluesbreakers.

1992 | THE ALTERNATIVE ALBUM 1966-1967 | DOWNLOAD

A ideia dos membros quando se juntaram, segundo o próprio Clapton, era usar o blues de raiz e levá-lo até um novo tipo de música pop com a ambiciosa intenção de fazer um estilo que ninguém tinha feito antes. Se eles conseguiram tudo isso ou não cabe o leitor dizer no final desse texto. O certo é que o Cream foi sinônimo de pirotecnia musical (ótima definição de Bento Araújo da Poeira Zine) em sua época, foi muito relevante e fez história gravando em cerca de três anos um material de tanta relevância que muitas bandas tentaram, e muitas ainda tentam, por anos, anos e anos.

Por | Fernando Bueno

1966 | FRESH CREAM | DOWNLOAD

Como já citado acima o Cream era basicamente um grupo de blues tocando rock e para deixar isso bem claro nada menos do que quatro das onze faixas do álbum são versões de grandes nomes do blues como Willie Dixon, Robert Jonhson, Muddy Waters e Skip James. Notamos que o encontro de músicos especialistas em seus instrumentos afetava até mesmo as letras que eram um pouco trabalhadas. Notem quantas músicas que foram feitas com apenas algumas frases, “I’m So Glad”é um ótimo exemplo. Porém mesmo com letras pobres tínhamos ótimas melodias vocais com é o caso do início de “I Feel Free” e “N. S. U.”. O primeiro single foi exatamente “I Feel Free” e o curioso é que mesmo uma música relativamente curta (2:45) foi considerada longa por um DJ de uma rádio novaiorquina que ajudou os caras no início. Tirando as versões, as outras músicas foram todas compostas por Jack Bruce sozinho ou em parceria com outros músicos. Apenas “Toad” foge à regra já que a faixa nada mais é do que um longo (alguém aí pensou desnecessário?) solo de Ginger Baker. Muitos comentam este ser um dos primeiros solos de bateria gravado por uma banda de rock. “Sleepy Time Time” é um blues composto por Bruce que faria inveja à qualquer músico do auge da Chees Records. Em “Dreaming” todas as vozes se juntam para fazer uma belíssima composição. As versões ficaram ótimas em especial “Spoonful” com a gaita fazendo o papel principal. Para finalizar uma pergunta: só eu que acho o Jack Bruce parecidíssimo com o Greg Lake nessa foto da capa?

1967 | DISRAELI GEARS | DOWNLOAD

Pergunte para dez pessoas qual é o melhor disco do Cream e nove delas responderá Disraeli Gears. O blues rock do grupo continua intacto, mas agora temos a adição de um timbre de guitarra mais ácido. O disco foi lançado em novembro, poucos meses depois da real data planejada para o lançamento. A causa disso foi que a gravadora decidiu mudar a capa de última hora e o resultado final demorou um pouco mais do que o esperado. A intenção da gravadora com essa capa multicolorida era ligar a banda ao movimento psicodélico que estava em seu auge nesse ano. Claro que musicalmente o disco já estava ligado à esse movimento, assim a capa foi para deixar isso claro e aproveitar o sucesso. As guitarras após o refrão de “Dance the Night Away” parece ter saído de um disco do Pink Floyd da época de Syd Barret. Outra que me lembra muito do Diamante Louco, mas nesse caso dos seus discos solos, é “Blue Condition”. O maior hit da banda, “Sunshine of Your Love”, é a segunda faixa do álbum e é obviamente um dos seus destaques. Mas não posso deixar de citar “Strange Brew” que faz você cantarolar sua melodia por muito tempo depois do álbum acabar. Jack Bruce detona tanto na voz quanto no baixo em “Tales of Brave Ulisses” e em “Swlabr”. Eric Clapton já contribuiu muito mais para o resultado do álbum do que fez (ou não fez?) para o primeiro. Em sua biografia ele conta que Sgt Peppers Lonely Hearts Club Band foi muito importante para o resultado final de Disraeli Gears, pelo menos para ele. Ele também menciona que o lançamento de Are You Experienced? por Jimi Hendrix ofuscou o disco deles porque todo mundo queria ouvir o americano. Lembra das músicas dos filmes do Monthy Python? É o que temos em “Mother’s Lament”, canção tradicional da cultura inglesa arranjada pela banda. Disco essencial em toda prateleira rockeira.

1968 | WHEELS OF FIRE | DOWNLOAD

Com o lançamento de Wheels of Fire e os shows que o promoveram principalmente nos Estados Unidos o Cream já estava sendo comparado aos Beatles e The Who. Como já haviam feito no álbum anterior eles alargaram as fronteiras musicais novamente. Alguns instrumentos foram gravados por Feliz Pappalardi, produtor da banda e que no futuro iria fazer parte do Mountain. Eles ainda se baseiam na forma estrutura do blues, mas também flertam com o jazz. Basta notar que o andamento de algumas faixas já são diferentes dos que nos acostumamos à ouvir nos dois álbuns anteriores. A abertura com “White Room”, uma das melhores faixas da banda, já ganha o ouvinte e mesmo se tudo o que viesse depois não fosse bom ninguém se importaria. Falo isso porque existem músicas abaixo da crítica nesse álbum. Duas delas eu ouço porque não costumo passar músicas e gosto de ouvir o álbum todo: “Pressed Rat and Warthog” e “Politician”, mesmo essa última sendo lembrada sempre em shows. Falando em shows, o segundo disco com as quatro músicas ao vivo é difícil de classificar. Que a banda era fantástica de se ver ao vivo não há dúvida, mas será que isso fica tão legal assim em um disco? “Croosroads”, de Robert Jonhson, tem uma versão ótima e para mim definitiva. As conhecidas, e longuíssimas, jams que a banda levava ao vivo tem alguns exemplo aqui. É até interessante ouvir “Spoonful” já que todos têm a chance de aparecer, mas não dá para entender a necessidade de um solo de 10 minutos de bateria, em “Toad”, fazer parte de um disco ao vivo que tem apenas 4 faixas.

1969 | GOODBYE | DOWNLOAD

Não citei os casos de drogas e das intermináveis brigas internas que eles tinham dentro da banda já que o foco aqui é analisar e comentar os álbuns. Porém quem pegar Goodbye sem saber dessas histórias vai se enganar pela aparente alegria apresentada na foto da capa e não vai entender porque um disco oficial tem apenas três músicas e mais três músicas gravadas ao vivo. E a resposta é que o grupo decidiu se separar e lançar a raspa do tacho das músicas que tinham e como não eram tantas incluíram algumas gravações ao vivo. Das três a que mais se destaca é “Badge”, uma parceria de Clapton com o amigo (e sócio?) George Harrison. “Doing That Scrapyard Thing”, que parece ter saído do Ogdens’ Nuts Gone Flake do Small Faces, é mais uma das diversas parcerias entre Jack Bruce e o letrista e poeta Pete Brown durante toda a carreira do Cream. Já “What A Bringdown” se não é uma canção muito lembrada da discografia do Cream faz valer a pena em adquirir um disco com apenas três faixas inéditas. Das músicas ao vivo tanto “I’m So Glad” quanto “Sitting on The Top of the World” são boas performances. Porém “Politician” não consegue a minha atenção nem em estúdio em Wheels of Fire nem ao vivo em Goodbye. Clapton diz que na época ele conheceu o The Band e seu fantástico álbum Music From Big Pink. Ele diz que ouviu o grupo e pensou “ali está uma banda que faz a coisa certa”. No fim quem segurou um pouco as pontas foi Stigwood, empresário da banda, que começou a receber ligações diárias de Clapton em que dizei “me tire daqui por favor” e ele respondia “fique mais uma semana”, até não ter jeito e a banda acabar de vez.

1970 | LIVE CREAM
DOWNLOAD

Após o fim da banda a gravadora ainda soltou dois discos ao vivo nos anos seguintes: Live Cream (1970) e Live Cream Volume II (1972). Cada um dos integrantes seguiria seu caminho separados se não fosse o encontro que Ginger Baker teve com Eric Clapton justamente quando ele estava prestes a formar o Blind Faith com Steve Winwood. Baker acabou entrando na barca.

1972 | LIVE CREAM II
DOWNLOAD

Com o fim do Blind Faith Clapton montou o Derek and the Dominoes e depois seguiu uma carreira solo de sucesso. Ginger Baker montou o Ginger Baker’s Airforce com uma seleção fantástica de músicos. Jack Bruce participou de outro super grupo o West, Bruce and Laing e depois também seguiu uma subestimada carreira solo.

2003 | BBC SESSIONS
DOWNLOAD

Em 2003 saiu um álbum com o nome de BBC Sessions que muitos outros artistas já fizeram parecido. Particulamente acho esse CD bem interessante para quem quer ter a discografia de estúdio e mais alguma coisa da banda.

2005 | LIVE AT ROYAL ALBERT HALL
DOWNLOAD

Em 2005 uma reunião de pouco shows do Cream ocorreu e aconteceu no famosíssimo Robert Albert Hall e também é material que vale muito a pena ter na sua prateleira de discos.

Nenhum comentário: